quarta-feira, 6 de junho de 2012

O CIRCO


Quero que a selecção tenha sucesso. Mas muito sinceramente não tenho fé e sobretudo sinto-me desiludido. Neste momento, acho que existe à volta da selecção, mais do que aquilo que ela merece (para quem ainda não ganhou nada) e sobretudo acho que existe um alheamento da selecção para com o real estado do País.

Estou totalmente solidário com o Manuel José e com aquilo que ele disse. Podem consultar isso aqui: Opinião de Manuel José. Parece um absurdo aquilo que se passou em Óbidos. Treinos à porta aberta, com milhares de adeptos, quando se exige um máximo de concentração e empenho dos jogadores e equipa técnica. Passeios de Charrete em ambiente triunfal, como tivesse ganho já alguma coisa. Este circo montado à volta da selecção é ridículo. Mas espero sinceramente que eu esteja errado e que venhamos a obter um bom resultado.




Não é preciso dizer mais nada. Todos sabemos o real estado do País. Caminhamos a passos largos para os 16% de desemprego (fora aqueles que nem sequer contam para as contas). Os funcionários públicos obrigados a abrir mão dos subsídios de férias e Natal. A grande fatia da população Portuguesa a auferir menos de 500€ por mês. E sobretudo uma grande incerteza no futuro. Mas não obstante isto, a Seleção Portuguesa de Futebol é das que mais vai gastar na deslocação ao Europeu. Para já não falar nos prémios que cada jogador irá receber se atingir os objetivos. A grande maioria dos jogadores selecionados, são pessoas com um nível salarial e de condições de vida, muito acima da média. Alguns são mesmo milionários. E sou eu e todos nós, que ainda lhes vamos pagar os luxos desta deslocação. Se houvesse decência nesta sociedade, qualquer daqueles jogadores deveria estar lá por amor à camisola e ao País. Até porque se forem bem-sucedidos, isso irá refletir-se nas suas carreiras e na sua condição económica. Se um jogador der nas vistas e conseguir uma boa transferência, será que ele irá dar uma parte desse dinheiro ao País? Basta ver a capa do Jornal de Noticias de hoje. O Vítor Baía foi burlado em 10 milhões. 10 milhões? Quem é que neste País tem 10 milhões? Eles estão cheios de dinheiro. Eles é que deviam pagar a estadia na Polónia do bolso deles. E se não quisessem, não faltaria quem quisesse ocupar o seu lugar.

Por tudo aquilo que eu referi, o sentido e a justificação da imagem que ilustra este texto e esta opinião. Já que vamos gastar tanto dinheiro, ao menos façam por merecer isso e dignifiquem a camisola da Seleção, que foi algo que não conseguiram fazer contra a Macedónia e a Turquia. Porque é que no Europeu iria ser diferente? 

Por amor a Portugal e não pelo amor ao dinheiro. VIVA PORTUGAL!!!!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Todos chamados a alterar contrato da luz


O mercado energético vai mudar: vai acabar o mercado regulado em que só havia um fornecedor (EDP) e vai passar a ser liberalizado, onde temos vários fornecedores à escolha. O mercado regulado termina em Janeiro de 2013. Até lá todos os consumidores terão que alterar o seu contrato da luz e escolher um fornecedor do mercado liberalizado. No entanto, não precisam de esperar até Janeiro do próximo ano, podem mudar já. Se fizerem a escolha certa, podem poupar na fatura.

Apenas os consumidores com tarifa bi-horária não tem que mudar, visto que os fornecedores do mercado liberalizado não estão a comercializar esta tarifa. No mercado regulado, ela deverá manter-se até 2016. Mas convém verificar se se tira mesmo partido da tarifa bi-horária. Se no período “vazio” o Kwh é mais barato (0,0833 €), “fora do vazio” é mais caro (0,1551 €). A tarifa simples, na EDP, é 0,1393 €. Há que fazer as contas.

Uma das empresas a operar no mercado liberalizado é a IBERDROLA. Sigam o link abaixo, para descarregar um documento com a oferta deste comercializador, bem como mais algumas informações sobre como se processa a escolha do fornecedor.


Já agora, gostava de deixar aqui algumas considerações sobre a EDP Comercial (EDP do mercado liberalizado). Já devem ter visto a campanha publicitária EDP/CONTINENTE. Nessa campanha é referido um desconto na energia eléctrica de 10% em cartão continente. Entretanto já deram entrada mais de uma centena de queixas na DECO (Defesa do Consumidor). Numa reportagem publicada no telejornal da RTP1, uma responsável da DECO, pronunciou-se sobre essa mesma campanha, como sendo publicidade enganosa. Convém esclarecer que as tarifas da EDP são as mais caras e o cliente vai pagar a fatura na íntegra. O que recebe posteriormente é um desconto de 10% do valor da fatura em compras. É por isso um desconto em compras e não na fatura da luz. As pessoas estão a ser mal esclarecidas. Não lhes é dito que estão a mudar para o mercado liberalizado e muitas com tarifa bi-horária, mudam sem saber que vão passar para tarifa simples e que depois não podem voltar ao mercado regulado. Podem confirmar isto mesmo em:

Posição da DECO sobre a campanha EDP/CONTINENTE (vídeo RTP)
Site da DECO (Defesa do consumidor) (site da DECO)

Espero que considerem a informação útil. Não se esqueçam de descarregar o ficheiro. É o mais importante.

Passem esta informação aos vossos amigos e contatos. É do interesse de todos.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Basta de Fartar Vilanagem


O Jornal de Noticias, na edição de hoje (28-10),presta um mau serviço público ao país e defrauda todos aqueles que esperam isenção por parte de um meio de comunicação social. Em três notícias apenas consegue (ou tenta), branquear a corrupção que grassa no futebol Português e limpar a cara de um dos seus maiores protagonistas. No mínimo é imoral. Mas eu passo a explicar.

Na capa do Jornal, podemos ver o presidente do Futebol Corrupto do Porto e por baixo a frase: "Basta de Fartar Vilanagem". Para um dos maiores protagonistas do caso "Apito Dourado" e para quem já viu e ouviu as escutas mandadas ordenar por Juízes de direito (quem ainda não o fez, as escutas estão no seguinte link: Escutas - Apito Dourado parte II ), realmente terá toda a razão e conhecimento de causa para o dizer!!!! Que ele o tenha dito, não me admira, agora publicitar tamanha infâmia na capa, é que já é discutível. Mas não ficamos por aqui. No mesmo jornal, na rubrica em que é medida a popularidade de algumas personalidades, esse mesmo senhor aparece em alta e bastante valorizado. Ao que nós chegámos! Um indivíduo envolvido em corrupção, mesmo depois de publicadas as escutas em que se pagam prostitutas (fruta) a árbitros e aqueles que não alinham, são ameaçados com porrada (jantar), é premiado e valorizado por um meio de comunicação social. No mínimo é imoral. Onde estão os valores que deveriam nortear o país e servir de exemplo para todos nós. Vale tudo!!!

Mas para quem acha que eu tenho a mania da perseguição, ainda não acabei. Para compor este "bonito" quadro, o JN foi mais longe. Dentro da notícia do caso BPN (empresas que lesaram o Banco em milhões), vem uma pequena alusão ao Presidente do Sport Lisboa e Benfica, Luís Filipe Vieira. Aí se pode ler, que Vieira foi alvo de buscas domiciliárias, em várias casas suas. Mas o mais interessante é que no fim termina simplesmente com a constatação, que no seguimento dessas buscas, ninguém foi indiciado como arguido. Coincidência? Ou talvez não?

Em jeito de conclusão, o JN, consegue inverter os papéis de duas personalidades do desporto em Portugal. Assim visto, até parece que o Pinto da Costa é uma vitima da "Vilanagem" e o Sr. Luís Filipe Vieira, um criminoso. Os distraídos até são capazes de ficar com essa ideia... Enfim. Comprem outro Jornal.

Pensem nisto.

PS: À hora em que escrevia este artigo, surgiu também na página do Sapo, a mesma notícia (aqui) das buscas efectuadas em casas do Sr. Luís Filipe Vieira. No entanto, mais uma vez, termina da seguinte forma: “De acordo com a publicação ainda não foram constituídos arguidos no inquérito.”. Coincidência? O JN, pertence ao mesmo grupo que detêm o domínio Sapo……

PS(II): Agora, segundo o site Sapo.pt, as referidas buscas às casas de Vieira, foram efectuadas:"Na manhã de 30 de Março deste ano" E adianta ainda que à data da notícia "ainda não foram constituídos arguidos no inquérito." Ridículo!!!!

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

O Poder de decidir


No próximo dia 27 de Setembro, processa-se mais um sufrágio eleitoral, visando eleger os Deputados que compõem a Assembleia da República. É pois um momento muito sensível da nossa Democracia. O resultado dessa votação irá condicionar os destinos do nosso país nos próximos quatro anos. Mas esses quatro anos podem implicar muitos mais, atendendo à política e decisões que vierem a ser tomadas. É comum ouvir falar que determinada opção irá endividar os Portugueses até 2020, 2030 etc.…. Mas também podemos analisar o impacto dos sucessivos Governos, ao longo destes 35 anos de Democracia, de forma inversa, ou seja, pelo atraso que Portugal tem em relação à média de desenvolvimento dos Países Europeus. É comum dizer-se que Portugal apresenta um atraso de 40 anos em relação em relação à Europa. Por tudo isto, penso que é hora de mudar alguma coisa no nosso panorama político. Basta!


Os Sucessivos governos alternados entre PS e PSD, já demonstraram a total ineficácia das suas ideologias (se é que existe aplicação de qualquer ideologia nas politicas de governação daqueles partidos). Por isso já vai sendo hora, de os Portugueses olharem para aqueles que se disponibilizam para dignificar a democracia em Portugal, sem que de alguma forma tenham podido intervir activamente nos destinos de Portugal.

O PS e o PSD só sabem governar com Maiorias Absolutas. No meu entender, em Portugal, esse modelo já mostrou ser totalmente errado. Uma Maioria Absoluta é apenas uma espécie de Ditadura Institucional, anuída pelo povo. De que vale ter 230 deputados com assento na assembleia da República, quando só os de uma cor partidária são quem decide tudo? No meu entender, todos os outros estão a fazer figura de corpo presente e a justificar uma democracia que não existe. Basta!


Acho uma certa piada (embora a situação não seja de rir), quando me falam em ideologias Politicas. Mas ainda alguém acredita que este Governo do PS, liderado pelo Sr. Sócrates, seja Socialista? Onde estão as políticas de carácter Social? Em Portugal, de ano para ano, os Ricos estão cada vez mais ricos e os Pobres cada vez mais pobres. A concentração da riqueza faz-se numa percentagem da população, cada vez mais pequena. Crescem o desemprego e as falências. Cada vez as pessoas têm mais dificuldade em aceder a cuidados de saúde e à educação. E que fazem os sucessivos governos? Ou dou-vos os exemplos: Para dar incentivo à criação de empregos nas regiões mais desfavorecidas, foram criadas zonas de excepção, onde as empresas podem pagar menos do que noutras zonas. Um exemplo disso é o distrito de Braga, onde os trabalhadores recebem menos salário, por funções mais bem remuneradas noutros distritos. Isto é um incentivo que só beneficia o Patronato e empobrece as pessoas, retirando-lhes direitos e poder de compra. As ditas reformas, executadas por este governo, assentaram sobretudo nos encerramentos. Encerraram Escolas, Maternidades e Postos de Saúde. A única finalidade desta acção, foi puramente tecnocrata. Mas estaremos nós a poupar realmente alguma coisa com este tipo de decisões, ou iremos pagá-las com juros num futuro próximo? Por outro lado o incentivo à iniciativa privada na área da saúde deixa antever o colapso do Serviço Nacional de Saúde. No futuro, só quem tiver dinheiro é que poderá aceder a cuidados de saúde. Num país cada vez mais pobre, nada disto faz sentido. Basta!


É comum ouvir-se falar muito na Europa e da importância de cedermos perante as exigências de Bruxelas. Que temos lucrado com isso? Temos recebido muitos fundos? Sim é verdade. E o que nos tem pedido que façamos com esses fundos? Eu digo. Temos deixado de produzir. Dão-nos dinheiro para não fazermos nada. Basta ver como está o nosso tecido empresarial, a nossa agricultura, as nossas pescas. E quando um dia nos deixarem de dar esmola? Devemos pertencer a uma Europa Global, por direito, e não porque outros assim entendem. Somos um país com séculos de História e devemos ser nós a dirigir os nossos destinos. Europa sim, mas não assim. Basta!


A nossa sociedade está a degradar-se de dia para dia. Um exemplo disso é a Justiça. Quem tem acesso aos melhores advogados consegue, senão provar a sua inocência, pelo menos consegue travar a sua acção, até à prescrição dos processos. Mais uma legislatura que passa e casos como a Casa Pia e Freeport, permanecem por concluir. Basta!


Será que vamos ter mais do mesmo, durante mais quatro penosos anos? Será que não há alternativa? Isso só depende de todos nós. Tentam meter-nos medo com a “instabilidade” que poderá advir de um governo de maioria relativa ou de coligação. Mas afinal que estabilidade conquistamos nós com sucessivas maiorias absolutas? E o que fazem os políticos em plena campanha eleitoral? Com a probabilidade de um governo de maioria relativa a acentuar-se, como demonstram as sondagens, insistem em pedir a maioria e clivam cada vez mais as incompatibilidades entre si. Mas a maior irresponsabilidade desta atitude, parte do PS e PSD. Não obstante terem desfrutado de maiorias absolutas nos últimos anos, ignorando a oposição, não tentam neste momento estabelecer uma base de entendimento com os partidos, ditos, mais pequenos. Penso que neste momento se deve, no mínimo, dar o benefício da dúvida a partidos como o PCP e BE, que nunca puderam pôr em acção as suas propostas. Enquanto as politicas do PS e PSD já se mostraram, por mais que uma vez, ineficazes.


Para terminar, em jeito de conclusão, gostava que visualizassem o vídeo em baixo. Penso que o conteúdo desse vídeo, ilustra bem aquilo em que o nosso país se tornou, não hoje, mas já à algum tempo. Neste caso, refere-se ao abuso de poder e manipulação de influências, dentro do PSD. Mas é assim um pouco por todo lado.


Pensem nisto….


Dia 27, não deixem de votar. Votem em consciência.

Viva a Democracia, viva Portugal



sexta-feira, 24 de julho de 2009

Sabe circular numa Rotunda?


Este tema é dirigido a todos aqueles que têm carta de condução e….. conduzem!

A pergunta impõem-se: Sabe circular numa rotunda?

Claro que a maioria, senão todos, dirão que sim. E eu não coloco isso em causa. Á dias o código de estrada foi actualizado e entre outras actualizações foi tida em conta a circulação nas rotundas. A imagem e o texto abaixo ilustram essa actualização:

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Esclarecimento da Ex-DGV:
Tendo em conta as disposições aplicáveis do Código da Estrada, na redacção que lhe foi conferida pelo Decreto-Lei nº 44/2005, de 23 de Fevereiro, constantes dos artºs 13º, nº 1; 14º, nºs 1 a 3; 15º, nº 1; 16º, nº 1; 21º; 25º; 31º, nº 1, c) e 43º e as definições referidas no artº 1º do mesmo Código, na circulação em rotundas os condutores devem adoptar o seguinte comportamento:


1- O condutor que pretende tomar a primeira saída da rotunda deve:

  • Ocupar, dentro da rotunda, a via da direita, sinalizando antecipadamente quando pretende sair.

2 - Se pretender tomar qualquer das outras saídas deve:

  • Ocupar, dentro da rotunda, a via de trânsito mais adequada em função da saída que vai utilizar (2ª saída = 2ª via; 3ª saída= 3ª via);
  • Aproximar-se progressivamente da via da direita;
  • Fazer sinal para a direita depois de passar a saída imediatamente anterior à que pretende uitilizar;
  • Mudar para a via de trânsito da direita antes da saída, sinalizando antecipadamente quando for sair.
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


Posto isto, convém esclarecer o seguinte:

Este procedimento já era anteriormente aplicado sobre a forma de “Recomendação”. Com toda a sinceridade, eu já há muito que conduzia assim nas rotundas. Aliás este ensinamento foi-me passado pelo instrutor de condução, aquando das lições de código e condução. Mas para os Portugueses uma recomendação vale o mesmo que nada. Então é ver suas Exªs a fazer as rotundas, sempre pela faixa exterior (mais á direita). E a razão apontada para isso é que assim é mais fácil, não tendo que se preocupar com mudanças de faixa dentro da rotunda, o que exige muito cuidado e atenção. Isso dava muito trabalho! E caso alguma alma nos venha bater, a culpa é sempre dele, porque estamos sempre pela direita. “MAIS NADA!!!!!!!". Se todos circulassem dessa forma, não seria necessário fazer rotundas com mais que uma via. Até se poupavam alguns euros em alcatrão. O pior era o trânsito.


Mas agora ( e desculpem a expressão), acabou-se a balda!!!!!! Segundo o novo Código de Estrada, o procedimento é o acima descrito. Ou seja, se não vai tomar a primeira saída da rotunda:

  • Ocupar, dentro da rotunda, a via de trânsito mais adequada em função da saída que vai utilizar (2ª saída = 2ª via; 3ª saída= 3ª via);
  • Aproximar-se progressivamente da via da direita;
  • Fazer sinal para a direita depois de passar a saída imediatamente anterior à que pretende uitilizar;
  • Mudar para a via de trânsito da direita antes da saída, sinalizando antecipadamente quando for sair.


E, a titulo pessoal, gostaria ainda de acrescentar o seguinte. Quando uma rotunda ou praça possui duas ou mais vias, e a(s) saída(s), são feitas por faixas com duas vias, convém realçar que:


1-quem circula na via mais á direita (exterior), é obrigado a sair, entrando igualmente na via mais á direita da saída;

2-quem circula na segunda via, pode sair, entrando na segunda via da saída, mais á esquerda, ou pode continuar na rotunda ou praça, saindo na(s) próxima(s) saídas.

Esta também faz muita confusão a muitos e “bons” condutores. Se não concordam com o que acima é dito e transcrito, pensem da seguinte forma:


“Mas porque razão é que muitas rotundas e praças têm 2 e mais vias? Não será para escoar e fazer circular melhor o trânsito? Se todos andassem só na via da direita o que ganharíamos com isso? Seria o mesmo que ter um só via.”


Pensem nisto...




quinta-feira, 11 de junho de 2009

Uma questão de(s)Motivação


Mais uma vez o povo Português foi chamado a exercer o seu DIREITO e DEVER de voto, em relação às eleições para o Parlamento Europeu. E mais uma vez, a maioria não respondeu à chamada. Alguns “opinion makers” apressaram-se a justificar essa ausência, por se tratar de uma matéria para a qual as pessoas se sentem pouco motivadas. Pois eu não partilho dessa opinião. Nas próximas eleições Autárquicas e Legislativas, cá estaremos para avaliar o grau de motivação dos Portugueses em matérias que lhes são bem mais próximas. Por outro lado, que obrigação teriam os Portugueses, para aderirem em massa a uma votação para o Parlamento Europeu, quando os seus próprios governantes se recusaram a realizar um referendo sobre o Tratado de Lisboa, alegando ignorância do povo Português em relação a tal matéria? Em boa verdade, que sabem os Portugueses sobre o funcionamento do Parlamento Europeu, e da sua influência nas nossas vidas? Se calhar esta “violenta” abstenção está em sintonia com o que pensam as pessoas que dirigem os nossos destinos.

Enganam-se aqueles que pensam assim. Esta falta de motivação reside na descrença que a pouco e pouco vem tomando conta de toda a população em relação ao funcionamento das nossas instituições e que se reflecte na decadência da nossa sociedade e da nossa Democracia. A Democracia está em crise. Portugal está em crise.

A Justiça está em crise. Não consegue dar resposta aos casos mais mediáticos, que envolvem políticos, figuras públicas e o mundo do futebol. Com os processos a arrastarem-se sem que sejam proferidas sentenças conclusivas. São exemplos o caso Freeport e Casa pia. A constante violação do segredo de justiça, que só pode ser atribuída a quem está dentro dos processos e do próprio sistema jurídico, permite aos envolvidos organizarem as suas defesas de forma mais “inteligente”. É o descrédito total. Existem duas Justiças. As dos pobres e desconhecidos e a dos poderosos e ricos. É caso para dizer que a Justiça não é cega.

Os políticos eleitos defendem os interesses dos grandes grupos económicos em detrimento dos interesses da maioria da população e dos mais desfavorecidos. Um exemplo disso foi a forma vil, com que o Ministério da Saúde veio por cobro à intenção da Associação Nacional de Farmácias, para que os utentes pudessem optar, no momento da compra, por medicamentos genéricos. Entre os interesses da ANF e o dos Laboratórios farmacêuticos, o governo defendeu os interesses que menos iriam beneficiar a população. Os políticos não cumprem o que prometem. Tal como eu já aqui tinha referido (http://nmcsilva.blogspot.com/2007/12/tratado-de-lisboa.html ), antes de ser eleito, o PS era a favor do referendo sobre o Tratado de Lisboa. Depois de ter sido eleito, voltou com a palavra atrás. Os políticos estão constantemente envolvidos em casos de fraude e corrupção. Basta folhear as páginas dos jornais para comprovar. Por seu lado os tribunais não resolvem muitos desses casos em tempo útil, dando espaço à prescrição e ao prolongamento interminável dos processos nas várias instâncias. Os políticos, ao verem-se envolvidos em suspeitas, em vez de se demitirem ou suspenderem os seus mandatos, daquilo que deveria ser um “serviço público”, mantêm-se firmes nos seus “tachos”. Como se fossem donos do Poder, quais ditadores dos seus pequenos mundos. Os políticos, desafiando a lei da física, candidatam-se aos mais variados cargos simultaneamente. Chegam mesmo a abandonar a meio os seus mandatos para se candidatarem a cargos mais vantajosos, em total desrespeito para com os votos que lhes foram confiados.

O Sistema Financeiro não transmite a confiança e a solidez, própria de uma democracia saudável. Como se fosse normal, numa Democracia Europeia, o colapso de instituições financeiras, por incúria das suas administrações, que fizeram as operações que bem entenderam, nas barbas do Baco de Portugal. Alguém acha que, nos dias que correm, sejam possíveis movimentos financeiros, sem que o mercado e quem supervisiona esse mercado, dê por isso? E o poder politico, qual Pilatos, lava as suas mãos e entrega o destino de uma decisão ao sistema jurídico, que como já vimos, nos casos mediáticos e que envolvem interesses poderosos, não funciona. Uma coisa é certa, se o Estado não dá garantias aos clientes dessas instituições, não vão ser os tribunais a fazê-lo. Quando muito pode dar-lhes razão.

Pois é. Mas insistem em justificar a falta de vontade em votar, com a ignorância do Povo.

Parafraseando o nosso Presidente da República:

“Os votos só aumentam com organismos políticos prestigiados”

Pensem nisto…


terça-feira, 10 de março de 2009

Campeonato de futebol, está viciado.


Bombástico! Rui Santos, conhecido comentador desportivo (SIC Noticias), no programa tempo Extra, lançou a suspeição no futebol Português, referindo que o campeonato (1ª Liga), está viciado. E vai mais longe, concretizando a sua ideia, dando como exemplo a atitude de alguns jogadores do Leixões, no passado Sábado, no jogo contra o Porto. Para se ter uma ideia da intervenção do Sr. Rui Santos, pedia-vos que perdessem alguns minutos para visualizar o vídeo em baixo que coloquei no Youtube, visto ser matéria do interesse de todos aqueles que se interessam pelo Futebol.

Permitam-me fazer aqui um pequeno parêntesis. Quem me conhece, sabe que sou adepto do Benfica e poderão ver nesta entrada do meu bolg, o interesse tendencioso do meu clubismo. No entanto posso acrescentar que não sou grande adepto (pelo contrário), do Sr. Rui Santos, a quem associo um estilo e uma forma de estar, que não são do meu agrado. No entanto, na rubrica “Tempo Extra” do passado dia 08-03, não pude deixar de reflectir nas suas palavras e encontrar mesmo algum sentido nas mesmas. Como é óbvio, cada um tirará as suas ilações.

Os jogadores em foco, já fizeram saber que vão avançar com uma queixa-crime contra o Sr. Rui Santos, para a qual contam com o apoio do Sindicato de jogadores. No entanto cabe aqui dizer que o jornalista apenas exprimiu uma opinião e/ou ponto de vista, não tendo por objectivo concretizar qualquer tipo de acusação. Penso que estará aqui em causa a liberdade de expressão de uma pessoa e de um órgão de comunicação social, a SIC.

Esta matéria ainda irá dar muito que falar. Aguardam-se os próximos episódios.